betsson

CNI aprova acordo de investimento entre Brasil e México

Para a indústria brasileira, o acordo aumentará a segurança jurídica e fortalecerá o ambiente institucional para investimentos

Confederação Nacional da Indústria (CNI) considera positivo o Acordo de Cooperação e Facilitação de Investimentos (ACFI) que a presidente Dilma Rousseff assina nesta terça-feira (26), com o presidente do México, Enrique Peña Nieto, durante missão oficial à capital mexicana. Para a indústria brasileira, o acordo aumentará a segurança jurídica e fortalecerá o ambiente institucional para investimentos. “É uma ótima notícia o Brasil facilitar investimentos no México, que é um importante parceiro brasileiro. Os acordos são o melhor caminho para o Brasil atingir o mercado externo. Posteriormente, precisamos debater questões importantes, como o crédito para financiar investimentos e a bitributação”, disse o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade. 

A assinatura do acordo foi anunciada pelo Ministério das Relações Exteriores nesta segunda-feira. O acordo cria regras para reduzir os riscos políticos dos investimentos bilaterais, além de aumentar o apoio governamental aos investidores. Na avaliação da CNI, investir fora do Brasil permite que as empresas acessem novos mercados, aumentem as exportações e a produtividade. Em março deste ano, o Brasil assinou os dois primeiros acordos de investimentos com Moçambique e Angola. 

O presidente da CNI também reforçou a necessidade do Brasil negociar a ampliação do acordo comercial com o México. Pesquisa feita pela entidade com 43 associações setoriais mostra que 87% têm interesse em retomar as negociações de ampliação do acordo de comércio, o Acordo de Complementação Econômica  53, vigente desde 2002. O atual acordo contempla cerca de 800 produtos, sendo que apenas 45% desses têm tarifa zero. A pauta de exportações brasileiras para o México, no entanto, é bem mais ampla. A CNI levantou que outros 4,8 mil produtos não são contemplados pelo acordo. 

“Queremos incluir mais produtos no acordo. A indústria brasileira tem capacidade de aumentar as exortações para o México. A visita da presidente Dilma é um passo importante para que a gente possa ampliar as negociações”, disse Andrade. O México é o quarto maior destino das exportações brasileiras de bens industriais. 

Leia também

SEMINÁRIO – A CNI realiza nesta terça-feira, na Cidade do México, seminário em conjunto com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), o Ministério das Relações Exteriores, o governo mexicano, e a representante da indústria mexicana, o Conselho Empresarial Mexicano de Comércio Exterior, Investimento e Tecnologia (COMCE). Com a participação de mais de 270 empresários, sendo 60 brasileiros, serão debatidas oportunidades de negócios e mecanismos de cooperação para facilitar o comércio entre os dois países. O encontro, que começa às 11h30 do México (13h30, horário de Brasília), será encerrado  pela presidente Dilma Rousseff e pelo presidente mexicano, às 19h (21h, horário de Brasília). 

Relacionadas

Leia mais

Apesar da queda na atividade, indústria da construção está com expectativas menos negativas
CNI lança estudo com análise de leis de acesso e repartição de benefícios de recursos genéticos da biodiversidade

Comentários

betsson Mapa do site